A Teralytics, empresa de Big data analytics, a Telefónica NEXT e o fornecedor de soluções de sustentabilidade South Pole Group realizaram um estudo em Nuremberg, Alemanha, que revela a análise de dados da rede móvel como uma forma eficaz de estimar as emissões de CO2 e NOX nas áreas urbanas a um custo baixíssimo. Para isso, a Teralytics analisou dados agregados e anonimizados, gerados quando os dispositivos móveis se comunicam com as células de comunicação móvel da Telefónica, enquanto os usuários fazem chamadas, enviam textos ou navegam na Internet. A Teralytics foi capaz de refinar os dados brutos em padrões de mobilidade humana para entender como os diferentes modos de transporte, como trens ou carros, são frequentemente usados. Combinando essas informações com dados sobre as emissões dos diferentes modos de transporte, as três entidades puderam estimar a poluição do ar e as emissões de gases de efeito estufa na cidade.



Como cada forma de transporte produz uma quantidade única de emissões de CO2 e NOX, entender os padrões de mobilidade urbana é vital para entender a fonte das emissões de gases tóxicos. O estudo em Nuremberg usou esta informação para estimar com até 77% de precisão a concentração de poluentes atmosféricos na cidade. Essas descobertas encorajam uma maior exploração de como o Big Data pode ser usado para entender e, finalmente, resolver problemas ambientais como a poluição do ar em cidades em todo o mundo. Isso é particularmente interessante no que diz respeito ao custo mais baixo de analisar e interpretar dados em comparação com o custo mais elevado de produção e manutenção de estações de medição elaboradas. A nova abordagem poderia, portanto, permitir uma análise contínua em escala nacional.

“Assim como nosso estilo de vida urbano-contemporâneo resulta na geração de gases nocivos de efeito estufa, também gera grandes quantidades de dados comportamentais. Nossa missão na Teralytics é usar esses dados para o benefício da humanidade”, diz Georg Polzer, CEO da Teralytics. “Nossos resultados em Nuremberg mostraram que esses dados podem ser usados para fornecer insights a planejadores urbanos sobre como a mobilidade humana contribui para a poluição. Esta é uma parte vital para eficientemente projetar e implementar ar limpo e estratégias de baixa emissão de carbono. Estamos ansiosos para continuar explorando esta oportunidade”, declara Polzer.



Usando um processo de três níveis, os dados completamente anônimos e agregados são primeiro transformados em fluxos de movimento pelos cientistas de dados da Teralytics, identificando mais de 1,2 milhão de rotas de transporte durante o período de tempo analisado, conforme ilustrado na Figura 2. A especialista em soluções de sustentabilidade South Pole Group utilizou então um modelo atmosférico para estimar os níveis de poluição atmosférica causados pela utilização dos diferentes modos de transporte, tendo em conta os dados meteorológicos e informações sobre os respectivos níveis de emissão do Ministério Federal do Ambiente (BMUB). Na terceira etapa, a exatidão do método foi examinada comparando os achados com os dados existentes das estações de medição da poluição do ar. Verificou-se que os valores medidos nestas estações correlacionavam até 77% com os dos cálculos da Teralytics (Figura 3).



Os resultados do estudo piloto realizado em Nuremberg constituem uma base sólida para desenvolver a metodologia. Após o seu sucesso, o consórcio conseguiu obter apoio financeiro do Laboratório de Cidades de Baixo Carbono da KIC (LoCaL), uma iniciativa que reúne cidades, empresas, universidades e ONGs para proporcionar um elevado impacto ambiental e social. Com este apoio, a parceria de pesquisa irá se expandir e melhorar a metodologia, concentrando-se em rotas de viagens curtas e tendo em conta fatores locais de emissão como aeroportos, eventos de grande escala e tipos de veículos de estrada (carros elétricos e SUVs). Além disso, a influência de fatores como engarrafamentos e luzes vermelhas será levada em conta para fazer estimativas ainda mais precisas dos níveis de poluição do ar em uma cidade.

“Os resultados desse estudo piloto excedem nossas expectativas”, diz Maximilian Groth, responsável pelo Desenvolvimento de Negócios e Parcerias da Teralytics. “Estamos confiantes de que em breve seremos capazes de escalar este produto para cidades em todo o mundo e ajudar os planejadores urbanos a tornar nosso ar mais limpo e alcançar os objetivos do Acordo de Paris ao menor custo possível”. .

Fonte: insideBIGDATA